Suplementação é para todo mundo?

Vocês já pararam para pensar no significado de suplementação?
Quando pegamos o dicionário vemos que significa “o que se acrescenta a um todo para amplificá-lo, aperfeiçoá-lo; ou seja, é aquilo que falta para alcançar a perfeição.”
Mas se o paciente já tem em sua alimentação uma diversidade de nutrientes e substâncias que estão proporcionando saúde a ele em todos os aspectos; se ele consegue chegar ao objetivo sem queixas; se consegue aderir ao plano com sucesso é necessário suplementar? Não. Porquê?
Porque tanto a deficiência como o EXCESSO de nutrientes são ruins para o organismo. A decisão de suplementar um paciente não é algo simples, porque antes disso deve haver um estudo, observar carências e necessidades. Na maioria dos casos, os alimentos já fornecem grande parte dos nutrientes e substâncias importantes para o funcionamento do organismo. O que vai depender de uma pessoa para outra é se ela tem alguma individualidade, isto é, se consegue digerir, absorver e utilizar o nutriente de forma adequada. Um indivíduo que consome nutrientes sem necessidade pode acarretar consequências/prejuízos em curto, médio ou à longo prazo. Um exemplo simples que temos na nutrição é uma suplementação de selênio. O selênio é um nutriente que atingimos sua recomendação rapidamente através de alimento, sendo muitas vezes a sua concentração em uma única castanha muito superior à recomendação diária.
Considerando um indivíduo que consome bastante castanhas do Pará (alimento mais rico em selênio) e/ou ainda suplemente o selênio por fora, este estará sujeito a uma possível desordem como a selenose.
Técnicas e exames complementares são utilizados para identificar falhas e desequilíbrios nutricionais, além de exames físicos e observação de sinais e sintomas.
Lembrando que os alimentos são ricos por permitir a sinergia, ou seja, a associação de nutrientes e substâncias bioativas, além de estimular o paladar. A suplementação, por outro lado, é algo isolado ou associado para determinada individualidade e objetivo, sendo prescrito se necessário.